Fernando Duval, um pelotense de outro mundo

O artigo é de como uma fantasia materna, numa artificialmente escura noite pelotense, fez nascer um mundo quimérico – ou nem tanto – na imaginação de um artista.

Veja mais de Lourenço Cazarré

Continue lendo no Os Divergentes.