Documentos inéditos indicam que Crematório da Vila Alpina foi planejado para ocultar cadáveres da ditadura

A ocultação de cadáveres foi apenas um entre tantos crimes cometidos durante a ditadura militar. A prática já havia sido abordada pela Comissão Nacional da Verdade e revelada pela CPI da Vala de Perus, de 1990, realizada após a descoberta de mais de mil ossadas no Cemitério Dom Bosco, em São Paulo. Um detalhe da confissão de um dos agentes da repressão, no entanto, passou quase despercebido pela comissão: o plano da ditadura para construir crematórios onde ocultar cadáveres.

Ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social, o Dops, agente do Serviço Nacional de Informação, o SNI, e membro do esquadrão da morte Le Cocq, Cláudio Guerra foi um dos principais depoentes na Comissão da Verdade sobre

Continue lendo no The Intercept.