Comissão da OEA vai ouvir acadêmicos brasileiros sobre golpismo de Bolsonaro e militares

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos, a CIDH, irá ouvir integrantes do Observatório para Monitoramento dos Riscos Eleitorais no Brasil, o Demos. O grupo, formado por professores e acadêmicos de todo o país, surgiu para monitorar e denunciar as ameaças ao processo eleitoral feitas por Jair Bolsonaro e integrantes da cúpula das Forças Armadas no Brasil.

Desde que surgiu, no início de 2022, o grupo trabalha para fazer chegar a autoridades e instituições internacionais – como o Washington Brazil Office – as ameaças golpistas do bolsonarismo. Integram o Demos professores das principais universidades do país, além de nomes como o constitucionalista Clèmerson Merlin Clève e os cientistas políticos Fernando Limongi e Sérgio Abranches.

O contato mais recente do Demos foi com Joel Hernandez, comissário da CIDH, que por sua vez é vinculada à Organização dos Estados Americanos. Hernandez agradeceu o envio de informações sobre “os desafios à independência judicial no

Continue lendo no The Intercept.