Ratanabá: o delírio de uma extrema direita desesperada

Ilustração: Rodrigo Bento/The Intercept Brasil

Enquanto os olhos do mundo estavam voltados para o desaparecimento de Dom Phillips e Bruno Pereira na Amazônia, o bolsonarismo embalava mais uma teoria da conspiração sobre a região. A tese é das mais mirabolantes: há uma cidade perdida na Amazônia que foi a capital do mundo há 450 milhões de anos. Trata-se de Ratanabá, que abrigou a primeira civilização do planeta, que dominava tecnologias muito avançadas.

Em Ratanabá há tanta riqueza escondida, mas tanta, que seria o suficiente para transformar o Brasil no país mais rico do mundo. Esse delírio, claro, não encontra o mínimo respaldo entre arqueólogos que estudam a região e cientistas em geral. Há 450 milhões a humanidade nem existia e só viria existir algumas centenas de milhões de anos depois. É uma conspiração grotesca como todas as que fazem a

Continue lendo no The Intercept.