Fugindo do Talibã

Quando o grupo fundamentalista islâmico Talibã retomou o poder após a saída das tropas americanas do Afeganistão no ano passado, Shigofa Rasouli viu-se obrigada a abandonar seu país. Impedida pelo novo regime de frequentar as aulas da faculdade de tecnologia médica e de atuar como fotógrafa, a estudante de 24 anos e outros cinco jovens afegãos conseguiram ajuda para fugir da província de Herat rumo a São Paulo, onde moram desde novembro. Uma campanha liderada pela ativista brasileira Sabrina Herzog, pelo fotógrafo alemão Stefan Dotter e pela fundação francesa ERE arrecadou 35 mil euros [186 mil reais] para bancar a vinda e a estadia do grupo na capital paulista. Parte do dinheiro foi obtida com a venda online de obras doadas por fotógrafos e outra parte com a realização de uma exposição em Paris. No Brasil, o grupo foi acolhido pelas ONGs Estou Refugiado e Compassiva, que providenciaram casa, trabalho

Continue lendo na Revista Piauí.