Ela foi proibida de se vacinar pelo marido. Semanas depois, morreu de covid-19.

Ilustração: The Intercept Brasil/Getty Images

Depois de um ano e nove meses de pandemia, Nathália Fraporti ainda sente medo. Sua rotina como médica intensivista nas UTIs dos quatro hospitais de São Paulo em que cuidou de casos de covid-19 mostra quão impotente um profissional pode ser. Sem remédios para combater a doença, o jeito era aliviar os sintomas e esperar. O paciente tinha que combater o vírus por conta própria. Perdeu muitos pacientes assim. Quando o Brasil iniciou a vacinação da população no início de 2021, ela tinha esperanças de que esse pesadelo fosse chegar ao fim.

Apesar de lenta, a resposta do país à vacinação é, de forma geral, positiva. Até o dia 4 de janeiro de 2022, mais de 143,7 milhões de pessoas haviam completado esquema vacinal, número que representa 67% da população do país, e mais de

Continue lendo no The Intercept.