Polícias do Rio contrariam STF e só notificam metade das operações ao MP

Apesar da decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) em suspender de operações policiais no Rio de Janeiro durante a pandemia, polícias do Estado registram metade das operações realizadas. As diligências deveriam ser aprovadas pelo MP (Ministério Público). As informações são do relatório “Os impactos da ADPF 635 na defesa da vida”, realizado pelo Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos em parceria com dados do laboratório Fogo Cruzado, divulgado nesta 4ª feira (24.nov.2021). Leia a íntegra (88 KB).

As ações policiais estão suspensas nas comunidades do Estado do Rio de Janeiro desde 5 de junho de 2020, devido a uma decisão liminar do ministro Edson Fachin, relator do caso. Segundo o texto, o Ministério Público deveria ser avisado sobre todas as operações. Leia a íntegra (35 KB).

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px


Continue lendo no Poder 360.