Os profetas do presente

Foto: Alan Santos/PR

A frase cunhada pelo sociólogo italiano Alberto Mellucci soa paradoxal: os profetas antecipam o futuro e não o que já está acontecendo. No entanto, o autor do livro Challenging Codes (Desafiando os Códigos, sem tradução) usa a expressão para ilustrar sua tese sobre como a multiplicação atual de movimentos sociais de protesto expressa algo que já aconteceu e que vai influenciar nosso futuro.

A ascensão mundial da extrema direita, por exemplo, configura um movimento social cujas origens vêm da virada para o século XXI, quando ganharam corpo as primeiras reações conservadoras ao turbilhão de mudanças culturais deflagradas pela digitalização acelerada. O fenômeno assumiu uma visibilidade global com a chegada de Trump à Casa Branca e se espalhou pelo mundo alimentado pelas tensões, incertezas e conflitos alimentados pela

Continue lendo no Observatório da Imprensa.