Viagem de Lula à Europa escancarou o candidato da Globo e da grande imprensa: Sergio Moro

Foto: Ricardo Stuckert

A imagem de Bolsonaro deslocado entre os chefes de Estado no G20 em Roma foi um retrato fiel da nova condição de pária do país no cenário internacional. Sem ideias, sem projetos, sem agenda, sem visão de futuro, o presidente evitou conversar com outros chefes de estado e preferiu iniciar uma conversa em português com garçons italianos.

À imprensa italiana, contou uma série de mentiras. Primeiro disse que Lula “quase faliu a Petrobras” e “foi financiado pelo narcotráfico”. Depois afirmou que conta com “um apoio popular muito grande” e apontou uma vigorosa retomada do crescimento da economia no Brasil. Na realidade, Bolsonaro atingiu recentemente o nível mais baixo da sua popularidade e a retomada do crescimento econômico é a pior entre todos os países do G20.

Durante o encontro, Bolsonaro ignorou solenemente Olaf Scholz, que, além de ser

Continue lendo no The Intercept.