As armadilhas do discurso e seus limiares

Foto: Freepik

Resenha do livro:
“Désceo Machado nas chanchadas do CBN Brasil”
(Editora Sem Prelo, Florianópolis, 2021)

No momento em que a demanda de autocritica é a palavra de ordem do momento politico e social no Brasil, o livro de Tiago de Castilho Soares propõe o exercício da crítica em que o destinatário não é o outro, mas o próprio autor. Logo nas primeiras linhas do posfácio, Diogo Araújo apresenta esta coletânea advertindo o leitor de que esse livro — “Désceo Machado nas chanchadas do CBN Brasil” — nada tem a ver com os surrados comentários acerca dos frequentadores de redes sociais. Mas Araújo surpreende o leitor exatamente no ponto em que revela ser Désceo Machado um heterônimo de Tiago de Castilho Soares.

Estaria Diogo Araújo desmanchando o prazer do

Continue lendo no Observatório da Imprensa.