Patentes da Uber revelam testes com algoritmos para identificar motoristas ‘perigosos’

Problemas de segurança perseguem a Uber desde seus primeiros dias como serviço de transporte por aplicativo. Acidentes de carro e agressões físicas continuaram, apesar das tentativas da Uber de monitorar seus carros e fiscalizar motoristas; relatos de violência sexual em seus veículos levaram a Uber a admitir que “não estava imune” ao problema.

Em meio a reações públicas e demandas para dar atenção à segurança dos passageiros, a Uber lançou a iniciativa “Segurança em primeiro lugar” em 2018, adicionando ao aplicativo recursos como chamada de emergência, reforçando a triagem dos motoristas e, pela primeira vez, divulgando um relatório de segurança que trouxe mais detalhes sobre mortes no trânsito, agressões físicas fatais e agressões sexuais em sua plataforma.

Isso foi antes da pandemia. Ao longo do último ano e meio, a segurança adquiriu um novo sentido; se antes costumava significar que os motoristas precisavam fazer os passageiros se sentirem seguros, agora

Continue lendo no The Intercept.