O fim do “divórcio” entre a academia e as empresas jornalísticas

Foto: Racool_studio

A histórica desconfiança mútua entre a academia (*) e as empresas jornalísticas tem um prazo para acabar, gostem ou não as partes envolvidas nesta complexa relação. A rápida evolução do jornalismo digital empurra pesquisadores e executivos para a busca da sustentabilidade financeira de projetos noticiosos. Sem alternativas estáveis de faturamento, fica ameaçada a sobrevivência, tanto das iniciativas autônomas de jornalismo, como da maioria das empresas que vivem da venda de notícias.

Não é de hoje que o pessoal das redações faz lindos discursos para destacar o papel da academia no desenvolvimento do jornalismo, mas na hora de tomar decisões o que prevalece é o corporativismo das empresas. Isto acontece porque, em geral, a academia encastelou-se num purismo teórico, ao considerar o jornalismo praticado nas redações como uma atividade

Continue lendo no Observatório da Imprensa.