Agora é que são elas

Foto: Divulgação/Marília Mendonça

Marília Mendonça deu uma reviravolta no machismo sertanejo e no preconceito contra mulheres

A rainha da sofrência femineja não era conhecida por uma parte da população que torce o nariz para o gênero. Mas a queda do Beech Aircraft de pequeno porte perto de Caratinga provou que Marilia Mendonça pode ser entronizada entre as maiores cantoras do Brasil. Na faixa dos 20 anos, Marília, a moça comum, driblou o machismo urbano, o cancioneiro macho que retrata a companheira como perdida, ingrata, indigesta, e venceu num universo sertanejo tipicamente masculino celebrado em duplas como Chitãozinho& Xororó ou Zezé Di Camargo & Luciano. A moça, além de tudo, era gordinha, nem bonita nem feia, nem cafona nem estilosa, nascida nos cafundós de Cristianópolis.

Marília Mendonça foi em frente na

Continue lendo no Observatório da Imprensa.