Insegurança contra o câncer

Todo dia, a médica Cristina Matushita realiza, em média, setenta procedimentos que envolvem algum tipo de material radioativo. Matushita é médica nuclear, especialidade da medicina que usa os chamados radiofármacos (substâncias com radioatividade) para exames de diagnóstico ou tratamentos de pacientes com câncer. Na segunda quinzena de setembro, a médica, como muitos de seus colegas, viu minguar o movimento naquele setor do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer): foram apenas dez pacientes diários. Não por falta de interesse ou de pacientes, mas por falta de insumos. Não havia radiofármacos para os procedimentos. O Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen), órgão ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) e responsável por 85% da produção brasileira de radiofármacos, reduziu a fabricação dos compostos até parar totalmente a produção no dia 20 de setembro, por falta de dinheiro.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

Continue lendo na Revista Piauí.