O voo que não terminou

O bimotor Cessna 550 atravessava um céu límpido, os oito passageiros já enxergavam o mar azul da Península de Maraú, no litoral da Bahia, e o piloto Aires Napoleão Guerra, então com 66 anos, começou os procedimentos para aterrissar – e cometeu um erro fatal. O jato executivo pousou antes da cabeceira da pista, arrastou-se pelo chão por cerca de 200 metros, pegou fogo e explodiu, matando uma passageira na hora. O acidente aconteceu no dia 14 de novembro de 2019. Nos dias e semanas seguintes, outras quatro pessoas morreram em decorrência de complicações das intensas queimaduras, incluindo o piloto Tuka Rocha, uma estrela da Stock Car. Agora, depois de um ano e nove meses de trabalho, o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) concluiu que o desastre resultou de uma falha do piloto.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

Em quarenta páginas,

Continue lendo na Revista Piauí.