Entrevista: ‘É muito natural vermos mulheres reproduzindo valores que são contra elas’, diz teóloga

Dentro da verdadeira guerra cultural que se instalou no país principalmente após a eleição de Jair Bolsonaro em 2018, a teóloga Valéria Vilhena é uma espécie de farol dentro de um contexto farto em opiniões, mas pobre em discussões mais fundamentadas.

Evangélica, ela resolveu estudar a questão da violência doméstica no espectro cristão, descobrindo ali um enorme silenciamento em relação às muitas mulheres agredidas. Seu interesse resultou na pesquisa “Pela voz das mulheres”: uma análise da violência doméstica entre mulheres evangélicas atendidas no Núcleo de Defesa e Convivência da Mulher Casa Sofia e ainda no livro “Uma Igreja sem voz: análise de gênero da violência doméstica entre mulheres evangélicas”.

Conversei com ela sobre o fenômeno do “feminino” com forte perfume retrógrado em oposição ao feminismo, uma filosofia plural, mas generalizada e desprezada nos perfis da cristandade cor-de-rosa. Confira abaixo a íntegra da entrevista:

Foto:

Continue lendo no The Intercept.