TikTok pagou menos de um salário mínimo para funcionários sem registro trabalharem até 18 horas por dia

Um trabalho remoto, sem horários fixos, pago em dólar. O contratante? Ninguém menos que o TikTok. Em um momento de crise econômica extrema, a oferta parecia irresistível. Felipe, desempregado, aceitou.

Ao lado de outros falantes de língua portuguesa recrutados no Brasil, Felipe conta que tinha uma função que parecia simples: ouvir o áudio de vídeos do TikTok e escrever o que era dito. O texto transcrito poderia então ser usado para ajudar a alimentar a inteligência artificial da ByteDance, empresa chinesa dona do TikTok, como detalhou um dos gerentes do projeto.

A remuneração toda dependia do desempenho dos funcionários, e a promessa era a de que as melhores performances seriam contempladas com um bônus no final do trabalho. O serviço tinha a duração pré-estabelecida de três meses: fevereiro, março

Continue lendo no The Intercept.