Uma prostituta no palco do Municipal

Aos 48 anos, Betania Santos estreou no palco do Theatro Municipal de São Paulo interpretando a si mesma: uma prostituta. A maranhense fez parte da montagem paulista da ópera-tango María de Buenos Aires, do compositor argentino Astor Piazzolla. O papel principal, de María, coube à soprano Catalina Cuervo. Com direção-geral do cineasta Kiko Goifman e música da Orquestra Sinfônica Municipal, o espetáculo teve ingressos esgotados para as oito apresentações, realizadas ao longo deste mês de setembro. No relato a seguir, Betania conta o que sentiu ao pisar no palco centenário e como tudo só foi possível graças a Gabriela Leite, principal nome da luta pelos direitos das prostitutas no Brasil, morta em 2013.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

(Em depoimento a Lia Hama)

 

“Sou Betania Santos, tenho 48 anos, sou prostituta, mulher, mãe, ativista, educadora.” Essa é a minha fala, que abre a

Continue lendo na Revista Piauí.