E eles ainda têm coragem de comemorar estes mil dias de horror, dor e morte

Continue lendo no Balaio do Kotscho.