Primeiro-ministro do Japão deixará o poder depois das críticas à sua gestão da pandemia

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihide Suga, jogou a toalha depois de apenas um ano no cargo, prejudicado pelas críticas à sua gestão da pandemia da covid-19 e por baixos níveis de popularidade. Conforme anunciou nesta sexta-feira à imprensa em Tóquio, renuncia a se candidatar à reeleição como líder de seu partido, o Liberal Democrata (PLD), nas eleições internas marcadas para 29 de setembro. A decisão equivale, na prática, à sua renúncia como primeiro-ministro: o país deve realizar eleições gerais neste outono e o líder escolhido pelo PLD será o candidato dessa formação conservadora para chefiar o Governo.

Seguir leyendo

Continue lendo no EL PAÍS Brasil.