Nas entranhas de ‘La Casa de Papel’, o fenômeno espanhol da Netflix que chega ao fim

Triunfo antes da destruição final. Assim podem ser resumidos o discurso e as sensações transmitidas por Álex Pina ao retornar, emocionado, “ao local do crime”, os cenários de A casa de papel em Tres Cantos, nos arredores de Madri. Antes que sejam destruídos para sempre, após a conclusão das gravações da quinta e última temporada desta série de ladrões com máscaras de Dalí, espírito antissistema e nomes de cidades. Uma produção que iniciou sua caminhada com duas temporadas no canal espanhol Antena 3, quando se narra o assalto da quadrilha à Casa da Moeda, mas que virou um fenômeno global em 2017 pelas mãos da Netflix, já tendo como trama o ataque perfeito às reservas do Banco da Espanha, com direito a reféns. Uma evolução que se deve a motivos “não totalmente decifráveis”, como afirma Pina numa manhã do começo de julho.

Seguir leyendo

Continue lendo no EL PAÍS Brasil.