Jovens do Mosteiro de São Bento acusam religiosos de abuso sexual

Por trás dos cantos gregorianos que enaltecem os monges beneditinos do rico Mosteiro de São Bento, localizado no coração de São Paulo, se escondem denúncias de assédios e abusos sexuais, humilhações e perseguições a jovens seminaristas. Dois deles se uniram e, após terem deixado a instituição, denunciaram à polícia, em maio de 2019, quatro pessoas do mosteiro pelos abusos sofridos.

Ao longo de um ano e meio de apuração, o Intercept contatou as vítimas, falou com advogados, procuradores e testemunhas e localizou outras três pessoas que também teriam sofrido abusos no mosteiro quando eram menores de idade, mas que preferiram não se manifestar.

O inquérito, ao qual tivemos acesso, resultou em uma denúncia do Ministério Público de São Paulo apresentada em junho de 2020 e apreciada pela justiça em abril. Entre os acusados estão dois noviços e dois monges do

Continue lendo no The Intercept.