Almodóvar e as feridas de guerra

A filmografia de Pedro Almodóvar costuma estar secretamente conectada. Em Abraços Partidos (2009) já aparecia um cartaz de Madres Paralelas, cujo embrião rondava a cabeça do cineasta espanhol. “Era a história de duas parturientes que se conheciam no hospital e que depois, por uma série de circunstâncias, buscavam uma à outra. O desenvolvimento de uma parte da história não deu certo, eu não gostava, e a deixei de lado; mas a semente ficou.” Quando começou a pandemia, Lola García, seu braço direito, sugeriu-lhe que terminasse aquele roteiro. “Ela conhece a fundo tudo o que tenho armazenado no meu computador, além de ser a única que entende minha letra e minhas correções. Seu vínculo com meus roteiros é muito estreito. Ela me incentivou a escrever Julieta e agora Madres Paralelas.”

Seguir leyendo

Continue lendo no EL PAÍS Brasil.