Como as democracias revivem: o que eu queria ver no 7 de setembro

A obra dos Cientistas Políticos Steven Levitsky e Daniel Ziblatt intitulada “Como as democracias morrem” tem sido bastante badalada nos últimos anos. Em seu livro, Levitsky e Ziblatt fazem uma análise sobre as ameaças à democracia nos EUA, baseando-se em cases internacionais e identificando os pontos mais sensíveis na derrocada de democracias. Interessantemente, os autores concluem que, via de regra, as democracias não são exauridas por atos violentos de tomada de poder, mas por processos graduais de enfraquecimento de normas e instituições. Alguns dos sinais que podem indicar arrefecimento da democracia são: polarização política e social; ascensão de candidatos populistas; falta de tolerância e cooperação entre os poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário); e crescente ressentimento entre pessoas e instituições.

Seguir leyendo

Continue lendo no EL PAÍS Brasil.