A história dos crimes do ex-ministro Salles precisa ser reescrita para não ser esquecida

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A imprensa tem memória curta. Faz parte da história das redações de jornais esquecer os personagens que se envolvem em episódios polêmicos logo que eles se afastam e ficam fora dos holofotes. Vez ou outra, os repórteres lembram dos assuntos nas conversas nas mesas dos botecos. Trabalhei em redação de 1979 a 2014 e não fui exceção: também esqueci o nome de muita gente. Inclusive de pessoas que denunciei no jornal. Mas os tempos mudaram. E as novas tecnologias colocaram a história na nossa mão simplesmente apertando uma tecla do celular. E as redes sociais estão aí ativas para não deixar que nós jornalistas esqueçamos dos personagens que já foram o centro de grandes rolos. Fiz esse nariz de cera para puxar o assunto

Continue lendo no Observatório da Imprensa.