Juristas criticam Braga Netto

Foto: Reprodução/ Internet

O grupo Prerrogativas, que inclui juristas, advogados, professores, pareceristas e ex-membros do Ministério Público, reagiu a reportagem publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo segundo a qual o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, afirmou que não haveria eleições em 2022 se não houvesse voto impresso e auditável.

De acordo com o Estado, a mensagem foi transmitida ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e contou com a participação dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

“É inconcebível que o ministro da Defesa cometa a exorbitância delirante de coagir o presidente da Câmara dos Deputados a admitir e implementar uma exótica alteração no sistema de votação, sob pena de acenar com o cancelamento das eleições de 2022”, afirma o Prerrogativas em nota enviada à coluna.

“É preciso que os representantes das Forças Armadas, de uma vez por todas, restrinjam-se às suas atribuições específicas, abdicando

Continue lendo no Blog da Cidadania.