A importância de contar

Ao rever agora o filme A Última Floresta (já comentado aqui), três meses após ter assistido à exibição online do documentário de Luiz Bolognesi no encerramento do Festival É Tudo Verdade, fui surpreendido pela afirmação do xamã Davi Kopenawa Yanomami, da qual não me lembrava – “[…] temos que contar para os outros como era diferente no passado.” Mas narrar o quê?

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

No caso específico dos habitantes da aldeia Watoriki, situada em área protegida da Floresta Amazônica, próxima à serra do Vento, na região do Rio Demini, em Roraima, trata-se de relatar que “[…] rio acima, onde eles [os garimpeiros] trabalharam, o igarapé já secou. O rio virou barro. Este rio pode ficar assim também – lá para cima está tudo seco. Se você seguir o rio, der toda a volta, por todos os lugares eles garimparam. Tudo seco… Se

Continue lendo na Revista Piauí.