Pai Nosso como véspera do escarro. Ou: Que tal beijinho hétero do “porco”?

Continue lendo no Reinaldo Azevedo.