O alto custo Bolsonaro para os evangélicos

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Quanto irá custar às igrejas e grupos evangélicos, em termos de credibilidade, terem apoiado a eleição e sustentado até agora o governo de Jair Bolsonaro, embora seu programa eleitoral e suas decisões e indecisões como presidente nada tenham a ver com os princípios morais do cristianismo?

Podemos começar pela linguagem chula, sem educação, rude, um tanto grosseira, obscena e tantas vezes de baixo calão, inapropriada para quem ocupa o cargo de presidente de um país, até há pouco respeitado em todo o mundo. Imaginem o tosco Bolsonaro no púlpito de uma igreja, ao lado de uma Bíblia, ou num encontro internacional da ONU em Genebra, falando como se estivesse num boteco.

Mas até Mazzaropi seria respeitado se, em termos de governo, mostrasse inteligência e respeito ao

Continue lendo no Observatório da Imprensa.