Sanitarista diz na CPI que governo trata brasileiros como animais

Foto: Reprodução

O médico sanitarista Claudio Maierovitch, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), ao comentar a tese da imunidade de rebanho na CPI da Covid, afirmou que essa palavra se ‘aplica animais’ e que assim foi tratada a população brasileira durante a pandemia.

A imunidade de rebanho pressupõe que o país supere a pandemia por meio de um alto número de infectados, o que, em tese, deixaria grande parcela da população imunizada. Só que essa estratégia, de acordo com especialistas, não funciona para a Covid. Muitas pessoas morreriam no processo e, além disso, quem já teve a doença pode ser reinfectado.

A CPI investiga se um “gabinete paralelo” de aconselhamento ao presidente Jair Bolsonaro contribuiu para o que o presidente adotasse ideias contrárias à ciência durante a pandemia e se a imunidade de rebanho foi uma delas.

“Rebanho se aplica a animais, e fomos tratados dessa forma. Acredito que a população

Continue lendo no Blog da Cidadania.