Jornalismo, profissão sujeita a riscos

Foto: AFP/Arquivo

O jornalista Roman Protasevich virou troféu de caça do presidente-ditador Alexander Lukashenko, de Belarus. Para capturar o jovem jornalista de 26 anos, considerado seu principal crítico, Lukashenko não hesitou em cometer o primeiro ato oficial de pirataria aérea, obrigando um avião de passageiros da Ryanair a desviar de sua rota e aterrissar em Minsk, capital do Belarus.

Junto com o jornalista, foi presa sua companheira de nacionalidade russa, Sofia Sapega, de 23 anos, já condenada a dois meses de prisão. Ela não pôde contar com o apoio do seu país, pois a Rússia apoia o regime Lukaschenko, cuja reeleição fraudulenta no ano passado não foi reconhecida pela União Europeia. No seu despacho sobre o ocorrido, a agência Tass adotou a versão fantasiosa da existência de uma bomba no avião. Justificando ter enviado

Continue lendo no Observatório da Imprensa.