Sob o comando de Pazuello, Ministério da Saúde tentou importar vacina prestes a vencer

Em fevereiro deste ano, o Ministério da Saúde, ainda no comando do general Eduardo Pazuello, fechou um contrato de R$ 1,6 bilhão para a compra de 20 milhões de doses da vacina indiana Covaxin. O imunizante seria usado no Plano Nacional de Vacinação contra a Covid-19 do Governo Federal.

Mas de acordo com reportagem do O Globo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) enviou um ofício no dia 23 de março ao Ministério da Saúde para alertar a pasta que as doses não seriam usadas antes da data de vencimento.

“O prazo de validade aprovado pela autoridade indiana para a vacina Covaxin é de 6 meses, se conservada em 2-8 °C. De acordo com as datas de fabricação dos lotes a serem importados, observa-se que o prazo de validade irá expirar nos meses de abril e maio/2021. Solicita-se esclarecer se é possível a utilização de todo


Continue lendo no O Cafezinho.