VÍDEO: Cartas a quem não pude salvar – profissionais de saúde narram suas perdas mais dolorosas para a covid-19

“Todo médico tem seu cemitério, mas o meu está aumentando mais do que eu esperava”. Ouvi essa frase ao entrevistar uma médica cearense ainda na primeira onda da pandemia, em maio de 2020. Ela falava dos pacientes que todos os profissionais de saúde perdem ao longo da carreira. Faz parte do trabalho e, em determinada medida, eles aprendem a lidar com as mortes. Mas, ao longo de quase um ano desde essa entrevista, o “cemitério” dos profissionais de saúde no Brasil, devido à covid-19, se multiplicou com uma rapidez alarmante – e se torna cada dia mais insuportável, diante da falta de perspectiva de melhora.

Agora, quando o Brasil atinge a marca de 400 mil mortes causadas pelo novo coronavírus, convidamos profissionais de saúde a escreverem uma carta para o paciente que mais lhes marcou – e que não puderam salvar. O resultado está nos

Continue lendo no The Intercept.