Silêncio precioso

O documentário que foi considerado o melhor da competição brasileira de médias e longas-metragens pelo júri do recente 26º Festival É Tudo Verdade tem o controvertido título de Os Arrependidos. Dois dos cinco ex-militantes da luta armada entrevistados no filme rejeitam, demonstram indiferença ou simplesmente não gostam do termo “arrependidos”, atribuído a eles e a cerca de quarenta outros jovens, por terem renegado na tevê a atuação política que tiveram após o Ato Institucional nº 5 ser decretado em dezembro de 1968.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

Marcos Vinício Fernandes dos Santos diz no terço inicial do filme: “Eu fiquei puto com esse negócio de arrependido, arrependido, mas depois [faz expressão de desgosto e gesto de indiferença] tanto faz…” Gustavo Guimarães Barbosa afirma, por sua vez, a dez minutos do final: “Eu não gosto [do termo ‘arrependido’, ‘arrependimento’]. Eu não me sinto bem com essa

Continue lendo na Revista Piauí.