A nova ordem internacional: O perigoso jogo de intolerâncias recíprocas

Ilustração: Forexlive

O desfecho da Guerra Fria suscitara, no fim do milênio, a esperança de um mundo reconciliado e, a partir de então, sem história. Essa utopia, ilustrada na obra de sucesso planetário do cientista político norte-americano Francis Fukuyama, foi, é verdade, desbancada pelo livro concorrente no posto dos mais vendidos, de Samuel Huntington, no qual descrevia um universo abalado pelo “choque das civilizações”.

Ambas as ficções futuristas foram ultrapassadas pelos acontecimentos. A vida cultural, diplomática, econômica, ambiental, política, social e tecnológica deu ensejo a cenários que inviabilizaram qualquer tentativa de previsão. Estamos desde então diante de uma verdadeira Caixa de Pandora, que não deveu nada ao traço empolgante dos ensaios incitadores de discussão e de debate.

Trinta anos mais tarde, o mundo não vive, com efeito, um momento de equilíbrio e de harmonia,

Continue lendo no Observatório da Imprensa.