Moradores da Zona Oeste do Rio estão mais longe de serviços de saúde que habitantes da Zona Leste de São Paulo

O apartheid sanitário em tempos de pandemia se agrava com a maior dificuldade de acesso a serviços de saúde em alguns locais. Na periferia Oeste do Rio, 21% da população está a 30 minutos ou mais de caminhada de uma Unidade Básica de Saúde. Já na periferia Leste de São Paulo, só 1% da população passa pela mesma situação. Ou seja, moradores da Zona Oeste do Rio estão mais longe de serviços de saúde que habitantes da Zona Leste de São Paulo.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

O bairro Campo Grande é o mais extenso e populoso na Zona Oeste do Rio – e também foi o que registrou o maior número de mortes pela Covid-19 na capital até 19 de abril: 1.308.

A situação na Zona Leste de São Paulo é igualmente ruim quando se fala de pandemia. O último inquérito sorológico mostra que

Continue lendo na Revista Piauí.