A pandemia e o convívio diário com a finitude da vida no país das mortes

Continue lendo no Balaio do Kotscho.