Coronalixo: os animais pagam o pato

Os biólogos holandeses Liselotte Rambonnet, de 29 anos, e Auke-Florian Hiemstra, de 28, pesquisam os impactos ambientais que o lixo causa na vida selvagem há anos. Rambonnet é especializada em ciência cidadã e investiga como pessoas comuns podem participar de projetos de pesquisa; Hiemstra, especialista em arquitetura animal, estuda o uso de plástico por pássaros na construção de ninhos. Juntos, ela e ele coordenam um projeto chamado Plastic Spotter, um grupo de quatrocentos voluntários dedicados a encontrar e retirar resíduos plásticos dos canais do Centro de Leiden, cidade a 45 km da capital Amsterdam. Duas semanas após o primeiro caso confirmado de Covid-19 na Holanda, o grupo começou a encontrar máscaras descartáveis nos canais de Leiden. A pandemia fez disparar a produção de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual), e um estudo publicado em fevereiro deste ano estima que a humanidade esteja utilizando, por mês, 129 bilhões de máscaras e 65

Continue lendo na Revista Piauí.