E se os evangélicos apoiarem um golpe?

(Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

Faltando uma semana para os bolsonaristas comemorarem os 57 anos do Golpe Militar de 1964, começamos a viver outro tipo de polarização — não a de Lula versus Bolsonaro, mas a do nascente movimento pela destituição do presidente insano e genocida se defrontar com a campanha, já existente, pelo fechamento das instituições democráticas, como STF e parlamentos, com um novo Golpe.

Isso me levou a fazer comparações com o recente golpe ocorrido, em fevereiro, na Ásia, na Birmânia, país hoje com o nome de Mianmar . Porque em Mianmar existe uma população doutrinariamente e basicamente pacifista por seguir os ensinamentos de Buda. Há 14 anos, milhares de monges budistas saíram às ruas numa manifestação silenciosa e ordeira de protesto contra o aumento do

Continue lendo no Observatório da Imprensa.