“Que bobos! Eles pensam que os jornalistas escrevem com as mãos”

Foto: Arquivo

Homem dos sete instrumentos. Bom de copo e de garfo. Desprovido de qualquer cerimônia. Dos amigos, solicitava o possível e as coisas mais inusitadas. Aracy de Almeida, amiga inconteste, foi uma das vítimas. Ao ser convidada a ajudá-lo, certa vez, com um supositório, ouviu espantada: “Já tentei todas as posições e não consegui nada”. Vinícius de Moraes, outro amigo e parceiro, muitas vezes “sofria” por tabela as investidas daquele que acreditava em dois estados de lucidez: o dos bêbados e dos poetas. Um belo dia, quando tentavam cumprir um compromisso inadiável diante de tantos assumidos, que era o de produzir um jingle para o lançamento de um regulador feminino, a inspiração não chegava. Foram então pedir ajuda a Aracy. Ela, sem pensar muito e achando que os dois estavam aprontando, tomou emprestada

Continue lendo no Observatório da Imprensa.