Paradoxos da urgência de vacinas na América Latina

Num momento em que a América Latina é tão duramente afetada pela Covid-19, assim como os Estados Unidos e a Europa, Jean-Jacques Kourliandsky, diretor do Observatório da América Latina da Fundação Jean Jaurès, volta-se às debilidades estruturais da maioria dos países latino-americanos, que podem explicar a ineficácia ou até mesmo a falta de estratégia governamental para lidar com a epidemia. Ele analisa os paradoxos com os quais estes Estados são atualmente confrontados no que diz respeito à política de vacinação a ser implementada.

Foto: Giulian Serafim/PMPA

Vacinar para derrotar o coronavírus evidencia “bom senso sanitário”, econômico e social. Isto é verdade tanto na América Latina quanto na França e em outros lugares. Isso, no entanto, é mais sensível na América Latina do que no mundo desenvolvido, que dispõe de meios para enfrentar

Continue lendo no Observatório da Imprensa.