Uma resposta à fragmentação das informações pelo jornalismo hegemônico

(Foto: Reprodução)

A fragmentação das informações, ou a sua apresentação na forma de “retalhos”, difundida pelo jornalismo hegemônico, mais uma vez não somou para a compreensão dos conceitos em disputa na sociedade. É o caso da bioeconomia, um dos principais assuntos do Fórum Econômico de Davos, virtual devido à pandemia da Covid-19 e realizado entre 25 e 29 de janeiro de 2021. Neste link, a notícia do Estadão repetiu as ideias do presidente da Natura, fonte e empresa cativas nas pautas sobre bioeconomia e desenvolvimento sustentável. E apenas reiterou os três pilares da bioeconomia, já circulantes: ciência, pesquisa e inovação, respeito às comunidades locais e desenvolvimento econômico com a “floresta em pé”. Contudo, como esse processo raramente é descrito, problematizado e tampouco as comunidades locais são ouvidas, no mesmo volume e dimensão que os

Continue lendo no Observatório da Imprensa.