O primeiro morto da extrema direita no Brasil

AVISO: SE VOCÊ TEM SENSIBILIDADE A DESCRIÇÕES DE CENAS FORTES, NÃO LEIA ESTE TEXTO.

Este texto foi publicado originalmente na newsletter do Intercept Brasil. Assine. É de graça, todos os sábados, na sua caixa de e-mails.

Há uma data que serve como marco temporal da violência política no Brasil de hoje: 17 de outubro de 2016. Naquele dia, o corpo de um dos coordenadores de campanha do então candidato a prefeito de Porto Alegre pelo MDB, Sebastião Melo, foi encontrado esfaqueado em um banheiro dentro do próprio comitê de campanha. O caminho que levou Plínio Zalewski àquele banheiro tem todas as digitais dos ventos reacionários que assolam o Brasil.

Nas semanas anteriores, Zalewski havia sido difamado e perseguido. A agressividade digital era ainda incomum naqueles tempos. Suas contas em redes sociais tinham sido invadidas; ele fora filmado na rua e exposto no You Tube pelo

Continue lendo no The Intercept.