Jornalista não é vacinado contra má notícia

(Foto: Préfecture de Police/Fotos Públicas)

A imagem de um jornalista, para a maioria, é a de alguém imunizado diante dos acontecimentos a serem transformados em notícia. Alguém capaz de permanecer impassível, frio e sem reações diante de acidentes, tragédias, incêndios, bombardeios ou assassinatos. Essa ausência de sentimentos seria essencial para garantir a neutralidade das informações. O jornalista seria antes de tudo sem coração e teria sempre os olhos secos.Essa imagem corresponde à realidade? Geralmente mas nem sempre. O jornalista é um ser humano com sangue nas veias e isso quer dizer, tem seus momentos de fraqueza ou, se quiserem, de humanidade; tem suas insônias provocadas por reportagens realistas demais.

Não há uma vacina, um soro, um antídoto que possa proteger o jornalista dos impactos ou das dores provocados

Continue lendo no Observatório da Imprensa.