Azulejos, romance e cocaína

Aliado número um e principal fornecedor de cocaína do Primeiro Comando da Capital (PCC), o narcotraficante Gilberto Aparecido dos Santos, o Fuminho, 49 anos, foi traído pelo coração. Uma paciente e intrincada investigação da Polícia Federal sobre sua namorada, uma jovem de 25 anos, levou à prisão de Fuminho em Moçambique, em abril, após 21 anos foragido. Uma história que envolve uma academia de ginástica na África do Sul, uma importadora de azulejos de Maputo e um agente da polícia norte-americana disfarçado de turista em um hotel de alto padrão. A prisão de Fuminho, um dos maiores traficantes brasileiros, abalou a principal fonte de financiamento do PCC, uma vez que ele, além de fornecer cocaína para a facção, era o articulador de uma ampla rede de exportação da droga para a Europa e os Estados Unidos. O DEA, polícia antidrogas norte-americana, calcula que Fuminho seja o responsável pela internação de

Continue lendo na Revista Piauí.