Bolsonaro dá mais sinais de que aposta na ruptura

Por Rodrigo Vianna

O escândalo da #VazaJato não foi o único movimento importante a mostrar o rearranjo das forças que apoiam o governo de Jair Bolsonaro. Na mesma semana, o presidente fritou Santos Cruz (representante da ala militar não extremista, o general foi demitido da Secretaria Geral de Governo por se recusar a abrir os cofres estatais pra financiar o olavismo) e humilhou Joaquim Levy (liberal e privatista, o economista foi afastado do BNDES por não instalar uma caça às bruxas no banco, como pedem os bolsonaristas radicais, incluindo Paulo Guedes).

Os dois últimos episódios indicam que Bolsonaro caminha para se “encastelar” num governo minoritário (com apoio de 25% ou 30% do eleitorado), que prioriza o discurso do “contra tudo e contra todos” e do combate ao “sistema” e aos “políticos”. Um governo que  não vê problemas em criar arestas com militares e empresários, acreditando que a postura beligerante o

Continue lendo no Escrevinhador.