Sem verba para antifascistas

Parágrafos de um juridiquês supostamente técnico salpicados de supostas citações de Bach, Schopenhauer, canto gregoriano em latim (“Da pacem, Domine, in diebus nostris…“), um poema de Friedrich Schiller atribuído a Beethoven em alemão original e um fragmento do diálogo entre Sócrates e Glauco extraído d’A República de Platão. A primeira reação do produtor executivo Tiago Tao diante do parecer desfavorável da Fundação Nacional de Artes (Funarte) à realização do Festival de Jazz do Capão foi de espanto. Tao, 40, que havia inscrito o projeto, só acreditou no conteúdo porque o papel estava timbrado, assinado e disponível no site do órgão. Se não, duvidaria do que tinha acabado de ler. 

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

“O objetivo e finalidade maior de toda música não deveria ser nenhum outro além da glória de Deus e a renovação da alma”, escreveu Ronaldo Daniel Gomes, parecerista do documento e

Continue lendo na Revista Piauí.