“Reformar” para manter privilégios?, por Sergio Takemoto

Se aprovada, a reforma administrativa acabará com direitos históricos e a estabilidade de determinadas categorias, além de facilitar ainda mais a venda de empresas públicas imprescindíveis ao país, a exemplo da Caixa Econômica Federal.

Continue lendo no Luis Nassif.