Vem aí a bolsa-farda

Que a vida está difícil diante dos frequentes cortes do orçamento para bolsas de estudo financiadas com dinheiro público, os pesquisadores brasileiros já sabem. Mas, se o bolsista for das Forças Armadas, o cenário é mais promissor. Dois programas de pesquisa estão sendo desenhados pelo Departamento de Ensino do Ministério da Defesa e pelos comandos das três Forças (Exército, Marinha e Aeronáutica) com o intuito de enviar militares ao exterior para desenvolver estudos em áreas consideradas estratégicas, como espacial, nuclear, de biossegurança, cibernética e de estudos estratégicos. Chamados de Propex-Defesa e Pró-Estratégia, os programas para pesquisador visitante, doutorado-sanduíche e pós-doutorado preveem custos que somam cerca 300 mil dólares por aluno, por ano (o equivalente a 1,6 milhão de reais anuais). Estarão aptos a concorrer às bolsas pesquisadores ligados aos institutos de pesquisa das três Forças, sejam eles civis ou militares, embora os montantes mais elevados estejam destinados apenas aos bolsistas

Continue lendo na Revista Piauí.