Na pandemia, desligamentos por morte entre motoristas de ônibus e de caminhão cresceram no mesmo ritmo que entre técnicos e auxiliares de enfermagem

Longe da linha de frente de combate à Covid mas sempre perto das estradas, motoristas de ônibus e de caminhão viram o número de desligamentos por morte aumentar durante a pandemia. Mesmo quando a ordem era ficar em casa, esses trabalhadores não pararam de levar passageiros e mercadorias aos seus destinos. Profissionais da enfermagem também não puderam parar – segundo dados do Caged, os motoristas, mesmo longe dos hospitais, foram tão desligados por morte como os técnicos.

window.uolads && window.uolads.push({ id: “banner-300×250-area” });

Desde abril do ano passado, a média mensal de desligamentos por morte de motoristas de ônibus e caminhão aumentou 80%, em comparação com o período pré-pandêmico; foi o mesmo crescimento verificado entre técnicos e auxiliares de enfermagem. Para cada 10 motoristas e técnicos de enfermagem que morriam antes do coronavírus, agora são 18. Segundo dados de pesquisa da Universidade Federal do Rio de

Continue lendo na Revista Piauí.